quinta-feira, 31 de julho de 2014

Crítica: Miss Violence (2013)


Da mesma escola de Dente Canino (Giorgios Lanthimos, 2009), Miss Violence, do diretor Alexandro Avranas, é mais um trabalho arrebatador dessa nova geração do cinema grego. Incômodo e pessimista, o longa aborda a subordinação que o medo provoca nas pessoas e principalmente o quanto elas se tornam indefesas contra isso.



Na festa do seu aniversário de 11 anos, Angeliki (Chloe Bolota) se joga fatalmente da sacada do apartamento onde morava junto com a mãe, os avós, e seus três irmãos. Mas afinal, qual seria o motivo para um ato tão desesperado de alguém tão jovem? Ao ver a cena, percebemos no olhar da menina, segundos antes de se atirar, que há algo muito perturbador por trás de tudo, embora ela tenha tempo de olhar para a câmera e dar um último sorriso, como se aquilo fosse uma espécie de libertação.

Num primeiro momento, a polícia trabalha com a hipótese de negligência dos familiares, que não teriam enxergado a situação da menina. Eles no entanto se defendem, dizendo que ela jamais havia apresentado sinais que justificassem sua atitude. Nesse ínterim, começam a surgir uma série de boatos, que vão criando um clima de mistério ao redor de todos os acontecimentos.



A desconstrução da família "feliz" que se vê no início vai sendo feita paulatinamente, e se completa na ausência de afeto e as punições vexatórias e cruéis em que são colocadas as crianças. Inclusive, uma cena muito marcante é quando eles decidem punir o menino por seu mal comportamento na escola, mandando sua irmã mais nova dar tapas em sua cara insistentemente.

O avô das crianças (Themis Panou) é o patriarca da família, sendo considerado um pai por todos. Com uma personalidade ditatorial, por vezes maníaca, tudo que ele fala se torna uma ordem, reprimindo os demais membros da família de forma violenta. A avó das crianças (Reni Pitakki) é ainda mais estranha, e traz em si um silêncio assustador. Por fim tem a mãe das crianças (Eleni Roussinou), que parece não ter peso de decisão nenhum em meio àquele ambiente hostil.

Aos poucos a verdade por traz do comportamento dessa família vai sendo dissecada, e da forma mais crua possível. O enredo introspectivo e silencioso prioriza os detalhes, e o desfecho é sufocante. Sei que absurdos existem em toda parte do mundo, mas é difícil aceitar que tudo o que é mostrado em cena pudesse realmente acontecer na vida real. Porém, do ser-humano nada me surpreende mais.



Quase todo filmado dentro do apartamento, é possível verificar um trabalho primoroso das câmeras. A ausência de trilha sonora acentua ainda mais o vazio que há naquele ambiente, e as atuações preenchem isso com excelência. Por fim, Miss Violence é um dos filmes mais interessantes de 2013, e os elogios e prêmios em diversos festivais europeus foram merecidos.


Estreias da Semana (31/07 a 06/08)

Semana de pouquíssimas estreias no cinema, com apenas dois filmes. O grande destaque fica por conta da aventura Guardiões da Galáxia, grande produção e um dos filmes mais esperados do ano nas bilheterias. O outro da lista é o nacional O Homem das Multidões, sobre a solidão humana em meio à metrópole urbana. 

Abaixo, você confere mais informações sobre os mesmos.

Guardiões da Galáxia

Peter Quill (Chris Pratt) se vê alvo de uma caçada após roubar uma esfera pertencente ao vilão Ronan, o Acusador. Para escapar do perigo, o humano une forças com um grupo de renegados alienígenas, formando os Guardiões da Galáxia.

Guardians of the Galaxy, Estados Unidos, 2014.
Direção: James Gunn
Duração: 121 minutos
Classificação: 12 anos
Aventura / Ficção Científica

O Homem das Multidões

Juvenal (Paulo André), condutor de trem no metrô de Belo Horizonte, enfrenta a solidão. Para se sentir melhor, ele se mistura na grande multidão da cidade. Enquanto isso, Margô (Sílvia Lourenço), controladora de uma estação, não consegue se desprender das redes sociais, trocando o mundo real pelo virtual.

O Homem das Multidões, Brasil, 2014.
Direção: Marcelo Gomes e Cao Guimarães
Duração: 95 minutos
Classificação: 14 anos
Drama

segunda-feira, 28 de julho de 2014

Especial: 5 bons filmes que se passam durante a Primeira Guerra Mundial

Há exatos 100 anos, iniciava na Europa um dos piores conflitos armados que o mundo já presenciou, a Primeira Guerra Mundial. No mundo do cinema, a lista de filmes que se passam no período é muito inferior à lista de filmes que se passam durante a Segunda Guerra, mas ainda assim é possível encontrar boas histórias. Para lembrar a data que mudou o mundo para sempre, trago para vocês uma lista de 5 bons filmes que se passam durante o conflito histórico. Confira:

1. Glória Feita de Sangue (1957)

Dirigido por Stanley Kubrick, Glória Feita de Sangue (Paths of Glory) conta a história de quatro soldados franceses que foram executados pelo seu próprio exército para encobrir um erro de estratégia de um general, que ordenou um ataque quase "suicida" contra o exército rival. O filme mostra com muita veracidade todos os horrores que eram cometidos durante uma das piores guerras que o mundo já viu. 

2. Feliz Natal (2005)

Esse excelente filme de 2005 conta uma história inusitada e pouco conhecida que ocorreu durante o conflito. Em 1914, os exércitos franceses, escoceses e alemães deixam suas trincheiras para confraternizar durante a noite de natal, e isso é suficiente para mudar a vida e a percepção de humanidade dos soldados envolvidos. O enredo critica sobretudo o fato de que os verdadeiros incentivadores da guerra assistem tudo detrás de suas mesas, enquanto inocentes se matam nos combates.

3. Nada de Novo no Front (1930)

Lançado alguns anos depois da Primeira Guerra, o filme se baseou no livro de Erich Maria Remarque, e conta a história de um jovem soldado que fica desiludido e traumatizado após conviver com os horrores dos campos de batalha. Foi mais um dos filmes "anti-guerra" que infelizmente não serviram para evitar a Grande Guerra que veio anos depois.


4. O Barão Vermelho (2010)


O Barão Vermelho (Der Rote Baron) mostra os últimos anos de vida de Manfred vin Richthofen, principal personagem da aviação alemã na Primeira Guerra. Com a alcunha de Barão Vermelho, ele recebeu as maiores honrarias militares da época, e principalmente o respeito dos exércitos inimigos, que chegaram a saudá-lo após sua morte.

5. Flyboys (2006)


Enquanto O Barão Vermelho mostrava o personagem principal da aviação alemã, Flyboys retratava a história do primeiro esquadrão de pilotos americanos a lutar na Primeira Guerra, que combateram em nome da França antes dos Estados Unidos entrarem de vez no conflito.

quinta-feira, 24 de julho de 2014

Estreias da Semana (24/07 a 30/07)

Seis filmes entram em cartaz nessa quinta-feira em todo o Brasil, e o grande destaque dessa vez é Planeta dos Macacos - O Confronto, dirigido por Matt Reeves, que se passa cronologicamente antes do filme original de 1968, e de sua refilmagem de 2001. Outro destaque do cinema americano é o drama Sem Evidências, estrelado por Colin Firth e Reese Whiterspoon.

Do bom cinema argentino, tem o drama O Estudante, e para quem gosta de comédia francesa, tem Amar, Beber e Cantar. A lista completa vocês conferem logo abaixo.


Planeta dos Macacos - O Confronto

Ambientado alguns anos depois do longa anterior, o filme acompanha César, líder da nação cada vez maior de macacos geneticamente evoluídos, e um grupo de humanos sobreviventes da devastação passada. Embora ambos tenham estabelecido uma trégua, ela não parece que irá durar muito tempo.

Dawn of the Planet of the Apes, Estados Unidos, 2014.
Direção: Matt Reeves
Duração: 130 minutos
Classificação: 14 anos
Ação


Sem Evidências

Em 1993, os adolescentes Damien, Jason e Jessie foram acusados de assassinar brutalmente três crianças de oito anos. Em um julgamento repleto de polêmicas e incertezas, eles foram condenados apesar de clamarem inocência.

Devil's Knot, Estados Unidos, 2014.
Direção: Atom Egoyan
Duração: 114 minutos
Classificação: 12 anos
Drama


Amar, Beber e Cantar

Em meio aos ensaios da nova peça de um grupo de teatro amador, Colin (Hippolyte Girardot) e Kathryn (Sabine Azéma) recebem a trágica notícia que seu amigo George está doente e tem poucos meses de vida.

Aimer, Boire et Chanter, França, 2014.
Direção: Alain Resnais
Duração: 108 minutos
Classificação: N/C
Comédia


Apenas uma Chance

A incrível história de Paul Potts (James Corden), tímido vendedor que surpreendeu o Reino Unido ao interpretar impecavelmente uma ária de ópera no programa Britain's Got Talent. O vídeo de sua primeira aparição somou milhões de visualizações no youtube, e o cantor tornou-se uma estrela da noite para o dia.

One Chance, Estados Unidos / Reino Unido, 2014.
Direção: David Frankel
Duração: 104 minutos
Classificação: 12 anos
Biografia / Drama / Musical


O Estudante

Quando Roque (Esteban Lamothe) ingressa na Universidade de Buenos Aires, ele não tem muito interesse em assistir às aulas. Ele só presta atenção na bela professora Paula (Romina Paula), uma jovem funcionária muito engajada na política universitária. Pra chamar sua atenção, Roque decide apoiar as reividicações estudantis.

El Estudiante, Argentina, 2013.
Direção: Santiago Mitre
Duração: 110 minutos
Classificação: 16 anos
Drama


Aos Ventos que Virão

Zé Olímpio (Rui Ricardo Diaz) é um jovem cangaceiro que precisa fugir para São Paulo após o bando de Lampião ser dizimado. Tempos depois ele resolve voltar ao nordeste e logo se torna político. É quando descobre a corrupção e a injustiça no ramo, ao ver um juiz impedir que seus eleitores pudessem votar, e passa a protestar contra.

Aos Ventos que Virão, Brasil, 2014.
Direção: Hermano Penna
Duração: 96 minutos
Classificação: 14 anos
Drama

quinta-feira, 17 de julho de 2014

Crítica: Os Belos Dias (2013)


Baseado no romance "Uma Jovem Mulher de Cabelos Brancos", de Fanny Chesnel, Os Belos Dias (Les Beaux Jours) conquistou público e crítica desde que foi lançado no ano passado, com uma história sensível e apaixonante que aborda a relação de uma mulher madura com um rapaz que tem quase a metade de sua idade.


Caroline (Fanny Ardant), uma dentista de 60 anos recém aposentada, perdeu sua melhor amiga há 5 meses e desde então vive seu luto particular. Ela carrega em si um sentimento de perda muito grande, principalmente ao perceber que os anos passaram e ela não conseguiu fazer tudo o que gostaria de ter feito.

Numa tentativa de levantar seu astral, suas duas filhas já adultas lhe dão de presente um cartão de matrícula para o Les Beaux Jours, um conhecido clube de idosos que possui inúmeras atividades para quem chegou a velhice e não quer ficar em casa tricotando em frente à televisão.


Ela primeiramente odeia o lugar e decide nunca mais voltar, mas após ter problemas no seu computador pessoal, ela resolve retornar ao local com a intenção de assistir apenas as aulas de informática, dadas por Julien (Laurent Lafitte). Não demora muito para que os dois comecem a se encontrar também fora do clube. Mesmo sendo casada, Caroline se entrega de corpo e alma nessa relação com o jovem professor, que tem a idade de suas filhas.

É interessante a abordagem que o diretor faz sobre a sexualidade na terceira idade, e sobre a culpa que muitas pessoas sentem por conta disso. Mais que isso, mostra o preconceito das outras pessoas, como no momento em que o marido descobre a traição e pergunta se ela "não se enxerga no espelho".


Caroline sabe que Julien se encontra com outras, e sabe também ser impossível competir com as mulheres mais jovens. No entanto, ela vai levando a relação e tenta aproveitar o máximo disso enquanto ela durar. É muito comum conhecermos pessoas ao longa de nossas vidas que ficam pouco tempo do nosso lado mas que mudam nosso jeito de pensar a vida. A relação momentânea entre Caroline e Julien fez ela enxergar tudo com novos olhos dali em diante e melhorou inclusive sua relação com o marido, onde ambos voltaram a sentir o que pareciam ter esquecido com o tempo.

As atuações são muito boas, principalmente de Fanny Ardant. Ela mostra uma vitalidade impressionante, e uma sensualidade incrível no alto de seus 65 anos. A trilha sonora também encanta, além da bela paisagem praiana. Por fim, Os Belos Dias não deixa de ser clichê, mas é um clichê gostoso de assistir, que tem sua própria originalidade e faz a gente sentir algo bom quando termina.


Estreias da Semana (17/07 a 23/07)

Seis filmes entram em cartaz nessa quinta-feira em todo o Brasil, e o destaque das bilheterias fica por conta de Transformers: A Era da Extinção, a quarta sequência da franquia de veículos robôs. Dos Estados Unidos ainda tem a nova comédia de Adam Sandler, Juntos e Misturados, e a animação Aviões 2: Heróis do Fogo ao Resgate.

Da Bélgica tem a comédia dramática Bistrô Romantique, que aborda a vida de vários casais que veem suas vidas se transformarem durante o dia dos namorados, e da Islândia tem o drama Sobrevivente, sobre uma história real de superação. Fechando a lista, tem o argentino Filha Distante, sobre um pai que busca reencontrar sua filha que mora longe.

Transformers: A Era da Extinção

Alguns anos após o grande confronto entre Autobots e Decepticons em Chicago, os gigantescos robôs alienígenas desapareceram. Quando Cade (Mark Wahlberg) encontra um caminhão abandonado, ele jamais poderia imaginar que o veículo é na verdade Optimus Prime, o líder dos Autobots, e que essa descoberta mudaria sua vida dali para frente.

Transformers: Age of Extinction, Estados Unidos, 2014.
Direção: Michael Bay
Duração: 165 minutos
Classificação: 12 anos
Ação / Ficção Científica

Juntos e Misturados

Após um primeiro encontro desastroso, Jim (Adam Sandler) e Lauren (Drew Barrymore) viajam, por coincidência, para o mesmo resort familiar durante as férias, junto com seus filhos de casamentos anteriores. Sendo obrigados a conviver, uma atração começa a surgir entre os dois.

Blended, Estados Unidos, 2014.
Direção: Frank Coraci
Duração: 117 minutos
Classificação: 10 anos
Comédia


Aviões 2: Heróis do Fogo ao Resgate

Dusty descobre que seu motor está severamente danificado e nunca mais poderá participar de corridas. Após algumas adaptações, ele acaba realocado na brigada aérea de incêndio, onde conhece o veterano helicóptero Blade Ranger e a equipe terrestre The Smokejumpers. Enfrentando o fogo diariamente, Dusty finalmente entende o significado da palavra "herói".

Planes: Fire & Rescue, Estados Unidos, 2014.
Direção: Roberts Gannaway
Duração: 84 minutos
Classificação: livre
Animação / Comédia


Bistrô Romantique

Pascaline tem 40 anos e um restaurante. No dia dos namorados, ela recebe uma surpreendente e ousada proposta de um amor do passado. Paralelamente, durante o jantar, a dona de casa Roos informa ao marido que tem um amante, e a cinquentona Mia pensa em suicídio.

Brasserie Romantiek, Bélgica, 2013.
Direção: Joel Vanhoebrouck
Duração: 100 minutos
Classificação: 14 anos
Comédia / Drama


Sobrevivente

Durante o inverno de 1984, um barco pesqueiro naufraga no Atlântico Norte, nas proximidades da Islândia. Os tripulantes tentam sobreviver, mas devido às águas geladas, apenas Gulli (Ólafur Darri Ólafsson) sobrevive, que ainda precisa lutar para conseguir sair da situação.

Djúpio, Îslândia, 2013.
Direção: Baltasar Kormákur
Duração: 96 minutos
Classificação: 12 anos
Drama


Filha Distante

Um homem de 50 anos de idade e ex-alcoólatra decide que chegou o momento de mudar de vida, e decide restabelecer os vínculos com sua filha Ana (Victoria Almeida) e para isso viaja até a Patagônia para procurá-la e aproveitar o turismo da região.

Días de Pesca, Argentina, 2013.
Direção: Carlos Sorín
Duração: 78 minutos
Classificação: 12 anos
Drama

quinta-feira, 10 de julho de 2014

Estreias da Semana (10/07 a 16/07)

Quatro filmes entram em cartaz nessa semana em todo o Brasil. O destaque fica por conta de Teorema Zero, que traz Christopher Waltz na pele de um hacker de computador em busca de uma razão científica para a existência humana. Para quem gosta de terror, tem A Marca do Medo, e para quem gosta de romance, Amor Fora da Lei. Da Itália ainda tem  a comédia Viva a Liberdade, novo filme do ator Toni Servillo (de A Grande Beleza, ganhador do Óscar no ano passado).

O Teorema Zero

Qohen Leth (Christopher Waltz) é um habilidoso hacker de computador que vive em uma constante crise existencial. Instruído por uma empresa para resolver o "Teorema Zero", uma fórmula matemática que determinará a razão da existência humana, ele acaba ficando obcecado pela experiência, mas acaba tendo que enfrentar diversos obstáculos.

The Zero Theorem, Estados Unidos, 2014.
Direção: Terry Gilliam
Duração: 106 minutos
Classificação: 14 anos
Drama / Ficção Científica

A Marca do Medo

Durante uma aula na universidade, um professor pergunta a seus alunos o que são fenômenos sobrenaturais, e se é possível provar que eles realmente existem. Ele decide reunir uma equipe com mais três alunos para investigar o estranho caso de Jane Harper, uma garota aparentemente possuída por demônios.

The Quiet Ones, Estados Unidos, 2014.
Direção: John Pogue
Duração: 98 minutos
Classificação: 14 anos
Terror

Amor Fora da Lei

Quando um prisioneiro consegue escapar da prisão, ele inicia uma jornada através do estado do Texas para encontrar sua esposa e a filha que ele nunca conheceu.

Ain't Them Bodies Saints, Estados Unidos, 2013.
Direção: David Lowery
Duração: 97 minutos
Classificação: 14 anos
Drama / Faroeste

Viva a Liberdade

A candidatura do secretário principal do partido da oposição, Enrico Oliveri (Toni Servillo), não está indo tão bem quanto planejado. Uma noite, após um debate, ele desaparece. Seu assessor e sua esposa iniciam as buscas, até que de repente ele reaparece, mas diferente e tomando atitudes que surpreendem a todos e fazem a popularidade do partido subir.

Viva La Libertà, Itália, 2013.
Direção: Roberto Andò
Duração: 94 minutos
Classificação: 12 anos
Comédia

quarta-feira, 9 de julho de 2014

Critica: Hoje Eu Quero Voltar Sozinho (2014)


Quando assisti em 2010 o curta-metragem Eu Não Quero Voltar Sozinho, me apaixonei pela história e logo imaginei que o enredo daria um excelente filme. Por esse motivo, fiquei contente ao saber que o diretor Daniel Ribeiro estava iniciando em 2013 as filmagens de um longa que traria os mesmos personagens, dessa vez mostrados de forma mais completa e intensa. E para minha alegria, ele conseguiu superar todas as minhas expectativas.


A trama acompanha Leo (Guilherme Lobo), um jovem cego que busca entre conversas e divagações junto de sua melhor amiga Giovana (Tess Amorim) um sentido para a vida e algumas respostas para as dúvidas que a idade traz. Seu grande sonho é dar o primeiro beijo em uma garota, ao mesmo tempo em que receia nunca poder realizá-lo por ser "diferente". Na escola ele é um garoto aplicado, mas sofre diariamente nas mãos dos colegas, que se aproveitam de sua condição física para aplicar brincadeiras de mau gosto.

Quando um aluno novo entra na turma, não demora para que ele, Leo e Giovana criem uma dinâmica, formando um trio inseparável que por fim acaba se transformando em uma espécie de triângulo amoroso. Gabriel (Fabio Audi) é um garoto inteligente e gentil, que logo se compadece da situação de Leo e passa a ajudá-lo em tudo que ele precisa, criando ciúmes em Giovana.



É engraçado como inicia essa relação entre Gabriel e Leo. O primeiro, inocentemente, sempre esquece que o amigo não enxerga, e acaba cometendo gafes como "você viu aquele vídeo que todo mundo está comentando?" ou "vamos ao cinema hoje?". Mas uma coisa eles podem dividir de igual para igual: o gosto pela música, e as canções trocadas entre eles dizem muito sobre cada um.

Uma das cenas mais memoráveis é quando Gabriel explica para Leo o que é um eclipse. A simplicidade da cena emociona, principalmente por se tratar de uma amizade sem nenhuma espécie de interesse. O diretor foge de qualquer esteriótipo ao mostrar a relação homossexual que nasce entre eles. Tudo é mostrado com tanta naturalidade que a questão acaba ficando para segundo plano, como deveria ser sempre.

O final é belíssimo, com Leo realizando alguns dos seus principais sonhos, desde os mais simples como andar de bicicleta aos mais complexos, como ser aceito pelo o que ele realmente é e descobrindo finalmente o seu lugar no mundo.



Por fim, o filme é uma grata surpresa, e não decepciona quem, como eu, estava esperando algo a altura do curta. O diretor usa bem o tempo a mais para aproveitar ao máximo cada um dos personagens, e a simplicidade do enredo é a característica mais marcante. O humor singelo e as boas atuações são apenas mais alguns dos pontos positivos, desse que já é para mim o melhor longa nacional do ano.


quinta-feira, 3 de julho de 2014

Estreias da Semana (03/07 a 09/07)

Nada menos do que 11 filmes estão entrando em cartaz nessa quinta-feira (03) nos cinemas de todo o país. O principal nome da vez é o novo trabalho do diretor Wes Anderson, O Grande Hotel Budapeste. O longa, que possui um elenco de dar inveja a qualquer um, se passa em um grande hotel do leste europeu durante a Segunda Guerra Mundial, e como todo bom filme do diretor, possui belíssimas tomadas e o uso excessivo de cores.

Outros destaques são o thriller de terror O Espelho, e o drama romântico O Último Amor de Mr. Morgan, estrelado por Michael Caine. Da Europa, chamam a atenção o holandês A Montanha Matterhorn e a comédia francesa O Amor é um Crime Perfeito. Para as crianças, tem a animação sul-africana Khumba, toda feita em 3D. A lista completa vocês conferem abaixo.

O Grande Hotel Budapeste

No período entre as duas guerras mundiais, o famoso gerente de um hotel europeu conhece um jovem empregado e os dois se tornam melhores amigos. Entre as aventuras, constam o roubo de um famoso quadro do Renascimento, a batalha pela grande fortuna de uma família e as transformações históricas durante a primeira metade do século XX.

The Grand Budapest Hotel, Estados Unidos, 2013.
Direção: Wes Anderson
Duração: 100 minutos
Classificação: 14 anos
Comédia / Drama


O Último Amor de Mr. Morgan

Por mais que more em Paris há bastante tempo, Matthew Morgan (MIchael Caine) não conhece a língua local, pois sua esposa sempre serviu como intérprete pelas ruas da cidade francesa. Entretanto, ela faleceu há três anos, e desde então ele vive triste e solitário, ocupando seu tempo com aulas de inglês ocasionais. Sua vida começa a mudar quando ele conhece Pauline (Clémence Poésy), uma simpática professora de dança.

Mr. Morgan's Last Love, Alemanha/Bélgica/Estados Unidos/França, 2013
Direção: Sandra Nettelbeck
Duração: 116 minutos
Classificação: 12 anos
Comédia / Drama


O Espelho

Tim e Kaylie são dois irmãos traumatizados pela morte inexplicada dos pais. Quando Tim sai do hospital psiquiátrico, anos após ser internado, ele tem certeza de que a causa da tragédia familiar é um grande espelho que acompanha a família há séculos. Cercado por fenômenos paranormais, os dois tentam provar que o objeto é o verdadeiro responsável pela sangrenta história de seus ascendentes.

Oculus, Estados Unidos, 2014.
Direção: Mike Flanagan
Duração: 104 minutos
Classificação: 14 anos
Terror

A Montanha Matterhorn

Fred (Tom Kas) é um homem de 54 anos, viúvo e devoto do Calvinismo, que leva uma vida pacata e solitária desde que despejou seu filho de casa. Quando ele conhece Theo (René van 't Hof), um adulto com mentalidade de 5 anos de idade, seu mundo vira de pernas pro ar. Fred assumirá a "parternidade" e defenderá o rapaz, que sofre nas mãos dos habitantes do vilarejo, enquanto Theo tem uma visão diferente do relacionamento entre os dois.

Matterhorn, Holanda, 2014.
Direção: Diederik Ebbinge
Duração: 87 minutos
Classificação: 14 anos
Drama / Romance


O Amor é um Crime Perfeito

Professor de literatura da Universidade de Laussane, Marc (Mathieu Amalric) tem a fama de colecionar aventuras amorosas com suas alunas. Alguns dias após o desaparecimento de sua mais brilhante aluna, que fora sua última conquista, ele encontra Anna (Maiwenn), que busca informações sobre a nora desaparecida.

L'Amour est un crime parfait, França, 2013.
Direção: Jean-Marie Larrieu e Arnaud Larrieu
Duração: 101 minutos
Classificação: 16 anos
Suspense


Não Aceitamos Devoluções

Valentin (Eugenio Derbez) sempre levou uma vida despreocupada no México, saindo com várias mulheres e alternando entre pequenos trabalhos. Um dia, uma mulher bate à sua porta e lhe deixa um bebê, dizendo ser sua filha. Apesar da surpresa inicial, Valentin se muda para os Estados Unidos e cria a pequena Maggie durante anos, tornando-se um homem responsável e encontrando um emprego fixo como dublê de filmes de ação. Isso até a mãe da criança voltar para tentar recuperá-la.

No Se Aceptan Devoluciones, México, 2014.
Direção: Eugenio Derbez
Duração: 115 minutos
Classificação: 12 anos
Comédia


Hermano - Uma Fábula Sobre Futebol

Daniel (Fernando Moreno) é um craque jogando futebol, enquanto que Júlio (Eliú Armas) é um líder nato. O sonho de Daniel é se tornar um jogador de futebol profissional, enquanto Júlio tenta resolver os problemas do dia-dia na favela onde moram. A chance de suas vidas surge quando um olheiro lhes oferece um teste no Caracas, o principal time do país, mas uma tragédia pode colocar tudo a perder.

Hermano, Venezuela, 2013.
Direção: Marcel Rasquin
Duração: 97 minutos
Classificação: 12 anos
Drama


Khumba

Acusada por seu supersticioso bando de trazer azar para o grupo, uma jovem zebra que tem listras em apenas metade do corpo embarca numa perigosa jornada em busca da normalidade.

Khumba, África do Sul, 2013.
Direção: Anthony Silverston
Duração: 83 minutos
Classificação: livre
Animação / Aventura


O Céu é de Verdade

Baseado no livro homônimo, o filme conta a história real de um menino de três anos que, após quase morrer ao realizar uma cirurgia de emergência, diz ter sido levado ao céu e se encontrado com Deus. A princípio os pais não acreditam nele, mas quando o menino começa a contar histórias e falar sobre pessoas que não conhecia, eles passam a acreditar nele.

Heaven is for Real, Estados Unidos, 2014.
Direção: Randall Wallace
Duração: 100 minutos
Classificação: livre
Drama

Causa & Efeito

O policial Paulo (Matheus Prestes) enfrenta um grande trauma após perder a esposa e o filho em um acidente de carro. Ele não consegue aceitar que a responsável pelas mortes não tenha sido punido e resolve fazer justiça com as próprias mãos. Ele, no entanto, não consegue matar a mulher que causou o acidente após descobrir sua triste história de vida, e ambos acabam se envolvendo em uma história amorosa.

Causa & Efeito, Brasil, 2013.
Direção: André Marouço
Duração: 105 minutos
Classificação: 14 anos
Drama

A Onda da Vida - Uma História de Amor & Surf

Os amigos Caio, Tiago e Joel caem na estrada rumo às belas praias de Itacaré, no sul da Bahia, para surfar. No trajeto, o carro onde eles viajam quebra, e ele acabam tendo que investir todo o seu dinheiro no conserto do veículo, que só ficará pronto em dois dias. Durante esse período, eles acabam descobrindo um paraíso ecológico no Espírito Santo, com belas praias e ondas perfeitas.

A Onda da Vida - Uma História de Amor & Surf, Brasil, 2013.
Direção: José Augusto Muleta
Duração: 90 minutos
Classificação: 12 anos
Aventura/ Romance

terça-feira, 1 de julho de 2014

Especial: 10 anos da morte de Marlon Brando


Um rebelde de gênio difícil e personalidade explosiva, que ao mesmo tempo era um amante dos animais e um influente ativista dos direitos civis americanos. Apesar da vida controversa, o fato é que Marlon Brando é considerado (e com razão) um gênio quando se fala em atuar, sendo considerado por unanimidade um dos melhores atores que o cinema já viu.


Nascido em 3 de abril de 1924, Brando viveu sua infância em uma família difícil junto com mais duas irmãs, no vilarejo de Libertyville, no estado do Illinois. Seu pai ganhava a vida vendendo produtos químicos, e não era nada afetuoso com as crianças. Na sua biografia, Brando chegou a declarar que seu pai o beijava apenas uma vez no ano, na noite de natal. Já sua mãe era uma atriz de teatro extravagante que tinha sérios problemas com o alcoolismo. O ator também declarou que teve que ir diversas vezes buscar ela em bares da cidade, onde ela estava adormecida em cima da mesa.

Essa infância conturbada possivelmente foi o motivo dele ter crescido e se tornado um verdadeiro delinquente na adolescência. Aos 16 anos foi expulso da escola após escrever no quadro negro usando gasolina e posteriormente atear fogo. Matriculado numa academia militar, passou a ter aulas de teatro no local antes de ser novamente expulso, o que fez com que ele definitivamente desistisse de estudar.

Porém, ao ir para Nova York atrás de suas irmãs, Brando pegou gosto pela vida artística e passou a aprimorar suas técnicas de atuação em aulas de teatro com a famosa professora Stella Adler. Foi graças às aulas que ele conseguiu seu primeiro papel de destaque, na peça Um Bonde Chamado Desejo, de Tennessee Williams.



No cinema, seu primeiro papel foi no longa Espírito Indômitos, de 1950, onde ele interpreta um veterano da Segunda Guerra Mundial ferido em combate que tenta se adaptar novamente à vida civil, mas que se sente angustiado por estar preso a uma cadeira de rodas. O filme fez sucesso e chegou a concorrer ao Óscar de melhor roteiro, fato que engrandeceu ainda mais a sua primeira aparição nas telas.

Sua segunda aparição no cinema veio em Uma Rua Chamada Pecado, adaptação da peça que ele já havia protagonizado e chamado a atenção. Dirigido por Elia Kazan e contracenando ao lado de Vivien Leigh, ele deu vida ao memorável Stanley Kowalski, um rude trabalhador operário que passava seu tempo livre entre bebidas, jogos de cartas e boliche. Brando foi indicado ao Óscar de melhor ator coadjuvante, e apesar de ser o franco favorito, acabou perdendo.



Viva Zapata! e Julio César, lançados respectivamente em 1952 e 1953, renderam mais duas indicações ao Óscar de melhor ator pra Brando, mas ambas sem sucesso. Ele só conquistaria o prêmio em 1954, pelo excelente Sindicato de Ladrões, novamente dirigido por Elia Kazan. Um ano antes, ele havia se tornado um ídolo da juventude da época ao protagonizar O Selvagem, onde dava vida a um motoqueiro líder de uma gangue. Sua vestimenta e sua rebeldia influenciaram outros nomes da cultura pop como James Dean e o próprio Élvis Presley. Naquela época, Brando chamou a atenção principalmente das mulheres por conta da sua beleza, que o transformou no mais novo símbolo sexual daquela geração.

Na segunda metade da década de 50, ele filmou mais 4 filmes, todos de pouca expressão: Garotos e Garotas, Casa de Chá do Luar de Agosto, Sayonara e o drama de guerra Os Deuses Vencidos. Já na década de 60, fez uma sequência de três bons filmes, sendo o mais famoso deles o drama Vidas em Fuga, dirigido por Sidney Lumet. Em 1961, o ator se arriscou pela primeira e última vez na direção, no faroeste A Face Oculta, que era para ter sido dirigido por Stanley Kubrick.

Ainda na década de 60, Brando faria parte de alguns filmes polêmicos. O primeiro deles foi Caçada Humana, de Arthur Penn, onde é vítima de uma longa cena de espancamento. Em Queimada!, filme que retratava historicamente a colonização americana e a luta entre espanhóis e portugueses que levou a dizimação quase total dos indígenas, Brando interpretou aquele que ele mesmo sempre declarou ter sido seu personagem preferido na carreira.

Depois de mais uma série de filmes pouco conhecidos, sua carreira alcançou níveis astronômicos no começo dos anos 70. Em 1972 ele protagonizou o clássico O Poderoso Chefão, de Francis Ford Coppola, onde deu vida a Don Vito Corleone. A atuação inesquecível rendeu o segundo Óscar da sua carreira, que ele não aceitou em protesto contra a visão que Hollywood fazia dos índios em seus filmes. No mesmo ano, contracenou com Maria Schneider em O Último Tango em Paris, de Bernardo Bertolucci, um dos filmes mais polêmicos da década e um verdadeiro sucesso de bilheteria e crítica.



Em 1976, Brando contracenou com Jack Nicholson no faroeste Duelo de Gigantes, de Arthur Penn. Mas foi em 1979, novamente sob a direção de Coppola, que ele voltou a alcançar o sucesso dos filmes anteriores. Apocalypse Now é até hoje considerado um dos melhores filmes de guerra já produzidos, e mesmo com uma participação curta, seu personagem é extremamente importante para a história.

O filme de Coppola ficou marcado como sendo o último grande sucesso de Brando, que já estava em um processo acelerado de decadência física e resolveu viver seus próximos anos recluso em uma ilha da Polinésia Francesa. Obeso e vivendo na sombra do que um dia foi, ele passava seus dias assistindo filmes antigos, não recebia mais amigos, não atendia telefonemas, e recusava papéis importantes no cinema como Karl Marx, Pablo Picasso e Theodore Roosevelt.


Devido a problemas financeiros, ele aceitou voltar às telas em 1989, mas sem aplacar nenhum sucesso. Chegou a filmar uma paródia sem vergonha de O Poderoso Chefão chamada de Um Novato na Máfia, que como era de se esperar foi um verdadeiro fracasso. Os problemas pessoais, no entanto, voltaram a chamar muito mais atenção do que sua carreira.

Ao longo de sua vida Brando se casou três vezes, mas quando se fala em relacionamentos amorosos (seja com desconhecidas, seja com celebridades), é impossível chegar a um número final. Diz-se que ele possui mais de 15 filhos espalhados pelo mundo, ainda que a maioria não seja reconhecida pelo mesmo. Essa sua falta de compromisso com a família pode ter sido a causa de dois fatos trágicos: a prisão de seu filho Christian após matar o namorado da irmã, Cheyenne, e o suicídio dela anos mais tarde, em 1995, quando estava no auge da depressão.

Por fim, são poucos os atores que conseguem encantar o público logo em seu primeiro filme, e disso Marlon Brando podia se vangloriar. Era impossível não amá-lo em cena, mesmo que estivesse no papel de um personagem repugnante. No entanto, sua vida pessoal conturbada acabou criando uma visão odiosa acerca de si, que infelizmente destruiu sua carreira, sua família e sua vida. Mesmo assim, o que ele fez ao cinema ficou na história, e isso nunca será apagado. E para mim, é isso que realmente importa.